quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Era a amizade. A mais doce e comum amizade onde se conta tudo nos mínimos detalhes sobre sua vida a alguém, onde é sempre normal discutir e voltar a se falar, e dar gargalhadas, convivendo com nossos defeitos e com a distância. Era impossível não notar, mas eu não notei. Amizade.. Eu não sabia se parava aí. Para ser sincera, eu realmente não tinha parado para pensar uma coisa dessas, talvez porque eu estivesse bastante ocupada sendo amiga de alguém que conseguia me fazer notar sentimentos sinceros e que conseguia me encantar sendo o mais natural possível, mostrando seu ponto de vista. Um de nós dois deveria perceber. Não era de se esperar, mas eu fiquei estagnada quando ouvi de sua boca o que era tão óbvio. Nós nos amávamos, além de minhas expectativas. Depois de nossa grande descoberta, agora mais do que nunca, eu me pego várias vezes pensando em você. A lembrança que eu tenho é a nostalgia de ouvir você sussurrando ao meu ouvido coisas que eu nem me lembro. O seu cheiro ficou impregnado em minhas roupas, e eu fiz questão de dormir com a cara afundada nelas. A tensão deixava minhas mãos trêmulas, e eu gaguejava por dentro. Estar ao seu lado era como a realização de um desejo que crescera poderosamente dentro de mim — e foi aquela a única vez quando podemos sentir um ao outro e perceber que éramos reais. Tanto eu, quanto você.
Quando tudo já tinha tomado conta de meu interior, havia chegado o momento mais indesejado. Eu só pude segurar suas mãos uma vez mais, dando um assobio tão baixo que acho que só nós dois ouvimos. Eu não queria que chegasse àquela hora. Para falar a verdade, eu esperava que os minutos fossem infinitos — nós debaixo das luzes acesas da pequena cidade, com um céu tão escuro que não tinha fim; e as pessoas passariam sem notar nossa presença, porque já faríamos parte daquele cenário. Meus dedos deslizaram sobre os seus, deixando que você se fosse — não eternamente, mas eu já sabia que a próxima vez não seria tão cedo. No ponto em que estávamos uma fração de segundo poderia significar muito tempo. A saudade não hesitou em invadir o espaço do meu coração que é seu. Os meus sonhos, todos eles, começaram a ser baseados em ti, e eu sei que é o refúgio que tenho para saciar minha ânsia por você, assim como ouvir sua voz ao telefone. Acredite, meu coração nunca pulsou tão freneticamente por alguém, e minha mente nunca fora dominada com tanto poder pelos pensamentos mais propícios. Eu não quero que isso acabe. Quero apenas que meus sonhos se tornem a nossa realidade, sem restrição para ultrapassar o que é real. Eu esperarei, nem que isso me custe à eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário