sábado, 4 de dezembro de 2010

Recordações

Fazia frio lá fora, o barulho da chuva caindo no telhado era cada vez mais estrondante. Ela foi até a janela, abriu a cortina e observou por uma pequena fresta, a água escorrendo pelo vidro, durante alguns segundos. Seus olhos estavam fixos na janela até o momento em que se deu por si, chacoalhou-se e voltou à realidade. Já estava descendo as escadas em direção à cozinha para tomar um copo de água quando notou seus lábios tremendo, subiu novamente até o quarto e se agasalhou com seu velho casaco de lã vermelho que tanto gostava. Era o casaco que ele lhe dera de aniversário há dois anos atrás, pouco antes de abandoná-la. Ela sempre o usava quando saíam juntos, querendo mostrar o quanto havia gostado do presente. Na esperança de encontrar algum vestígio dele, aproximou o rosto do casaco, lentamente, mas nada encontrou que pudesse lhe trazer vivas recordações... Seu perfume, antes completamente impregnado a ele, havia se dissipado completamente. Seus olhos encheram-se de lágrimas, encostou-se na parede e ficou ali, imóvel, com o mão sobre seu peito, apertando o casaco entre seus dedos com todas as forças que lhe restavam. Suas roupas começaram a deslizar contra a parede e ela foi escorregando, aos poucos, até chegar ao chão... Sentou-se e ali ficou, olhando fixamente para a última foto que haviam tirado juntos, ela sorria e ele a envolvia em um abraço. Uma primeira lágrima caiu quando lembrou-se de como seus abraços eram reconfortantes e infinitas outras vieram a seguir quando se deu conta de que nunca mais poderia ter essa mesma sensação de proteção novamente, não do jeito que era com ele, com o abraço dele, com o toque dele. Levantou-se sentindo certa dificuldade para se equilibrar e deslocou-se até a estante aonde guardava suas cartas, abriu a primeira gaveta e pegou a última carta que ele lhe havia escrito, abriu com máximo de cuidado para não correr o risco de rasgar aquela última recordação em forma de papel e começou a reler aquelas palavras que há dois anos não lhe saíam da cabeça. Ao fim da carta, ele despedia-se dizendo: "Então saiba que o brilho do seu olhar foi o que me manteve aquecido durante todo esse tempo, se não fosse por isso, há muito tempo meu coração já teria deixado de bater... Se eu consegui prolongar meu tempo de vida tanto quanto foi feito, agradeço a você, e agradeço infinitas vezes mais por ter compartilhado cada segundo de seu tempo comigo. Só eu sei o quanto eu te amei." Quando terminou de ler, olhou uma outra vez pela janela e em meio a todas aquelas nuvens no céu, uma estrela ainda brilhava, brilhava viva, brilhava forte.

4 comentários:

  1. nossa, você escreve muito bem.. sempre leio os seus textos, esse foi o que eu mais gostei, parabéns, ficou lindo! :)

    ResponderExcluir
  2. Que texto lindo! Esse final foi surpreendente, maravilhoso mesmo. Me emocionei muito.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. ntão saiba que o brilho do seu olhar foi o que me manteve aquecido durante todo esse tempo, se não fosse por isso, há muito tempo meu coração já teria deixado de bater... Se eu consegui prolongar meu tempo de vida tanto quanto foi feito, agradeço a você, e agradeço infinitas vezes mais por ter compartilhado cada segundo de seu tempo comigo. Só eu sei o quanto eu te amei."

    Linda esta declaração afirmativa. Ficou subentendido, que apesar de tudo isto, o porque ele deixou dela, mas eu senti que mesmo a tristeza do abandono, há no coração dela esta alegria de ter devolvido vida ao ser dele.

    Eu sou admirador dos teus lampejos pelo twitter. Gosto do que você escreve.

    Meu blog é: www.reqqiem.blogspot.com

    ResponderExcluir